Mar da Sibéria borbulha com metano e pode piorar aquecimento

A imagem de um mar inteiro borbulhando como um colossal copo de sal de frutas pode parecer engraçada.

Mas cientistas da Rússia e dos EUA que observaram algo parecido com isso no Ártico garantem que não há motivo para rir: as bolhas são de metano, um gás-estufa poderoso, e seu vazamento em águas siberianas pode significar que um dos efeitos mais temidos do aquecimento global está em pleno curso.

O grupo liderado pelos russos Natalia Shakhova e Igor Semiletov, da Universidade do Alasca em Fairbanks e da Academia Russa de Ciências, afirma que metade das águas do mar do leste da Sibéria está supersaturada de metano em sua superfície.

Em alguns pontos, a concentração do gás é cem vezes maior que a esperada. Em outros, até mil vezes.

No verão, quando o mar descongela, o gás escapa para a atmosfera em bolhas, tão numerosas que podem ser detectadas por microfones na água.

O fenômeno foi mapeado por Shakhova e colegas entre 2003 e 2008, durante várias expedições ao mar do leste siberiano, uma região de 2 milhões de km2.
“A quantidade de metano saindo da Plataforma Ártica Leste-Siberiana é comparável ao total que sai de todos os oceanos da Terra”, afirmou a cientista em um comunicado.

O gás vem de vários depósitos de permafrost, ou solo congelado, abaixo do leito marinho. Esses solos, resquícios da Era do Gelo ricos em matéria orgânica, se decompõem liberando metano, gás com 21 vezes mais potencial de esquentar o planeta do que o CO2.

Segundo os cientistas, a liberação de uma parte que seja do metano estocado no fundo do mar do Ártico poderia provocar um aquecimento global descontrolado, com consequências catastróficas. No entanto, o próprio permafrost age como uma “tampa” para o gás, que fica aprisionado na forma de compostos estáveis.

Mas “essa tampa de permafrost está claramente perfurada”, afirmou Shakhova. Segundo ela, o aquecimento das águas árticas nas últimas décadas está acelerando o processo de degradação do permafrost.

“Feedback”

O derretimento desses solos submarinos lança ao ano 8 milhões de toneladas de metano no ar. Ainda é uma fração mínima do total desse gás emitido no mundo.

Porém, à medida que o aquecimento se intensifica, o vasto estoque de metano siberiano pode parar na atmosfera, provocando um “feedback” positivo: aquecimento causando mais aquecimento.

“Esses depósitos submarinos são uma fonte de metano diferente, que nunca havia sido considerada antes e que precisa ser monitorada”, disse Shakhova em teleconferência.

Segundo ela, o fato de que as águas da região são rasas –50 m, em média– torna o vazamento mais preocupante.

“Não dá tempo de o metano ser oxidado ou degradado no mar. Ele vaza direto para a atmosfera.”

O geoquímico alemão Martin Heimann, do Instituto Max Planck em Jena, elogia o trabalho do grupo, que chamou de “evidência convincente” em comentário na “Science”. No entanto, ele diz que ainda não está claro o que causa as emissões.

“Como ninguém tinha observado esse vazamento antes, não sabemos se ele resulta da lenta erosão do permafrost, ou se de fato foi disparado pelo aquecimento global”, disse Heimann à Folha.

O cientista diz que não está “nem um pouco alarmado” com o fenômeno. “Não vejo isso como uma catástrofe, certamente não como um ponto de virada climático”, afirma. No entanto, continua, “precisamos monitorar esse metano, porque ele pode de fato indicar um “feedback” positivo.”

Esse post foi publicado em anticristo, chip, nova ordem mundial. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s