Mísseis iranianos serão capazes de atingir os EUA em 2015


http://pbrasil.files.wordpress.com/2009/05/missil-ira.jpg
Mísseis iranianos capazes de atingir os EUA em 2015.

Israel debate ataque sem bênção americana

Numa audição perante o Senado americano na terça-feira, alguém tentou perceber junto de James Miller em que estado se encontra o desenvolvimento do programa de mísseis balísticos iranianos. Na resposta, o número dois do Pentágono reconheceu que o Irão pode construir um míssil balístico intercontinental (ICBM) “potencialmente capaz” de atingir solo americano “a partir de 2015”.

Washington tem estado a seguir com muita atenção o desenvolvimento do programa balístico iraniano – é aliás por causa dele que os americanos pretendem instalar o polémico escudo antimíssil na Europa – e reconhece que as datas avançadas só se confirmarão se o regime dos aiatolas receber “assistência externa”.

Os analistas militares suspeitam que o veículo espacial Safir, lançado pelos iranianos em Fevereiro de 2009, possa ser transformado num míssil de longo alcance. A caminhar a par destes desenvolvimentos está o dossiê nuclear iraniano. Mesmo não sendo claro que Teerão procura capacidade militar nuclear, certo é que os ICBM podem transportar ogivas nucleares. Miller estima que o Irão vai demorar “pelo menos um ano” a desenvolver uma bomba nuclear, se a quiser, mas o mais provável é que o quadro temporal se alongue “três anos”.

Quem cada vez mais parece não ter tempo a perder é Israel. De acordo com a edição de ontem do “The Wall Street Journal”, as forças de segurança de Telavive desassossegam com o impasse no plano diplomático e discutem a possibilidade de atacar preventivamente o Irão, com ou sem o envolvimento americano.

https://i0.wp.com/www.estadao.com.br/fotos/ira_missil_efe.jpg

James Cartwright, vice-chefe do estado-maior americano, considerou recentemente que uma acção militar não produzirá efeitos “decisivos” no programa nuclear, mas os israelitas não pensam do mesmo modo e temem que, na ausência de uma nova ronda de sanções, os interesses dos dois aliados divirjam muito rapidamente

Perante os sinais, a cúpula de segurança israelita pondera que Washington – a tentar fechar o dossiê iraquiano e a guerra no Afeganistão – possa aceitar conviver com um Irão nuclearizado, uma proposição absolutamente inaceitável para o governo de Benjamin Netanyahu. Assim, se se decidirem a avançar, os israelitas podem mesmo ter de o fazer sozinhos.

Do ponto de vista americano, uma acção unilateral israelita acabaria sempre por arrastar os Estados Unidos para a guerra, porque, como prevêem as estruturas militares do Pentágono, o Irão não hesitaria em atacar interesses americanos na região – por exemplo com o ataque a bases, o apoio a grupos que combatem os americanos no Iraque e no Afeganistão, ou ainda a escalada dos preços do petróleo. Na equação israelita entram também os seus vizinhos do Norte, o Líbano e a Síria, e o Hamas. Financiado, treinado e armado pelo Irão e pela Síria, o Hezbollah (instalado no Sul do Líbano) e os palestinianos do Hamas são os pontas-de-lança de Teerão caso Israel decida abrir as hostilidades.

Esse post foi publicado em Irã. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s