Turquia nega a aviões israelenses o sobrevoo de seu território

Um avião israelense foi impedido de atravessar o espaço aéreo turco nesta segunda-feira (28), segundo a BBC. A Turquia decidiu hoje fechar o seu espaço aéreo para alguns voos de aviões de Israel, o que é considerado uma retaliação ao ataque das forças israelenses em 31 de maio a um navio turco que participava de uma frota que levava ajuda humanitária à faixa de Gaza.

Em Toronto, no Canadá, durante a reunião do G20, o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, confirmou a adoção da medida de retaliação, segundo uma fonte do governo turco ouvida pela agência de notícias Associated Press, a retaliação não afetará os voos comerciais entre a Turquia e Israel.

O avião que foi proibido de sobrevoar o espaço aéreo turco hoje levava funcionários israelenses para uma visita a Auschwitz, na Polônia. Com a proibição, o avião foi forçado a adotar uma rota alternativa.

Também nesta segunda-feira, a comissão pública criada por Israel para examinar os aspectos jurídicos do ataque de 31 de maio se reuniu pela primeira vez.

A sessão deve se dedicar a fixa o calendário e as questões de procedimento, segundo o porta-voz da comissão, Ofer Lefler.

Esta comissão pública independente, composta por cinco membros, entre os quais dois observadores internacionais, é presidida por um juiz aposentado da Suprema Corte, Yaakov Tirkel.

Os dois participantes internacionais, que não têm direito a voto, são Lord Trimble, ex-primeiro-ministro protestante da Irlanda do Norte, e Ken Watkin, ex-advogado geral do exército canadense.

O mandato desta comissão, que Israel aceitou criar sob pressão dos Estados Unidos, é limitado e deverá determinar a validade, segundo o direito internacional, do bloqueio imposto por Israel à faixa de Gaza e do ataque contra a frota de ajuda pró-palestina em águas internacionais, no qual morreram nove civis turcos.

O presidente Tirkel pode decidir excluir os observadores estrangeiros da comunicação de alguns documentos ou informações se “considerar que sua divulgação prejudicará a segurança nacional ou as relações diplomáticas” de Israel.

A comissão interrogará o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o ministro da Defesa, Ehud Barak, e os outros cinco membros do “Foro de Sete Ministros” – que agrupa os principais membros do governo – que aprovou o ataque.

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s