DORA: O super Canhão da 2° Guerra Mundial

“Maior e melhor” tem sido a força motriz do progresso através dos tempos. No caso das armas, isto significa um maior poder de fogo e um maior alcance. Quanto maior o projéctil e quanto mais longe puder ser lançado, maiores os danos para o inimigo. Assim nasceu a maior arma que o mundo já viu, Dora, o supercanhão de 800mm.

Em 1937, o Alto Comando Alemão incumbiu a metalúrgica Krupp Steel do design e produção da maior arma já construída, capaz de penetrar 1m de aço, 7m de betão reforçado e 30m de terra compacta, a uma distância de 45Km, o que a colocaria fora do alcance inimigo. O movimento sobre carris seria essencial e o Schwerer Gustav, como inicialmente foi chamado o canhão, em honra do seu criador Gustav Krupp, director da empresa entre 1909 e 1944, deveria ser móvel o suficiente para ser transportado.

<!– misc_ZZ3B969BBF.jpg –>

O secretismo que envolvia a nova arma era tal que os Aliados nunca souberam pormenores sobre ela. Na verdade, o segundo nome pelo qual ficou conhecido, Dora, surgiu através do nome de código dado à sua criação, Implement D (Instrumento D). Mas a produção do supercanhão mostrou-se difícil, quer pelas dimensões do mesmo, quer pela falta de exemplos nos quais basear o trabalho, uma vez que a indústria de armamento estava parada desde o fim da 1ª Grande Guerra. As dificuldades arrastaram-se e o conhecimento extensivo de metalurgia, explosivos e balística, resultante da química aplicada, física e matemática, necessários à criação da arma e dos projécteis, tomou três longos anos de trabalho. Quando rebentou a 2ª Guerra a arma não estava pronta, o que somente aconteceu no final de 1940. Foi testado no início do ano seguinte, na presença de Hitler e do seu Ministro do Armamento, Albert Speer, com um enorme êxito.

O canhão ferroviário pesava umas espantosas 1350 toneladas, media 47,3 metros de comprimento, 7,1 metros de largura e 11,6 metros de altura. Este colosso, com um cano de 32,48 metros, podia arremessar dois tipos de projéctil: uma granada de alto explosivo de 4,8 toneladas que viajava a 820m/s e com um alcance de 48Km e uma granada anticoncreto de 7 toneladas que podia atingir um alvo a 38Km de distância em menos de um minuto. A estrutura era elevada e posicionada no local de disparo através de um comboio especial constituído por 28 vagões que se estendia por 1,6Km e era movido por duas locomotivas a diesel.

Apesar do seu funcionamento essencialmente eléctrico e hidráulico, dentre toda a operação da arma, à criação de carris para a mover e sustentar, passando pela equipa de cientistas e engenheiros da Krupp para avaliar cada disparo, até à sua protecção, era necessária uma equipa de mais de 4000 homens, muitos deles “voluntários” da região em que se encontravam.

Por algum tempo pareceu que nenhum uso seria dado a esta obra-prima da engenharia alemã, mas o início da guerra contra a União Soviética apresentou novas oportunidades adequadas às capacidades do Schwerer Gustav. Foi então usado, pela primeira e única vez, em Junho de 1942 contra a cidade de Sebastopol, localizada na actual Ucrânia, durante a Operação Barbarossa. Num total de 48 projécteis lançados, um a cada 30-45 minutos, destruiu por completo o mais forte complexo fortificado do mundo, com um total de 30,000 toneladas de munições.

Após esta batalha, o canhão começou a dar sinais de desgaste, especialmente no cano, e foi retirado para reparações. A partir daqui há uma série de histórias e de mitos acerca desta arma. Algumas fontes referem que o Schwerer Gustav foi destruído pelos alemães para evitar a sua captura e que os seus projectos se perderam. Também consta que, pouco tempo depois, um segundo modelo foi construído e, este sim, recebeu o nome de Dora. Teria sido este exemplar que foi descoberto pelos Aliados após o término da guerra. No entanto, as referências mais fidedignas dão como certo que houve apenas uma única arma da qual estava prevista a construção de três exemplares. A polémica e o secretismo que envolveu o projecto fez com que fosse chamado Schwerer Gustav e Dora em ocasiões diferentes, embora se tratasse do único e mesmo canhão. Somente na década de 1950 foi revelada a sua história, a história da maior arma alguma vez construída, ainda que não a de maior calibre.

Anúncios
Esse post foi publicado em anticristo, apocalipse, Apostasia, assuntos interessantes, barack obama, chip, Diversidade, gripe suina, haarp, marca da besta, Menssagem subliminar, nova ordem mundial, Ocultismo, ONU. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s