Marca da besta

Beach Club Rotterdam, na Holanda obriga seus clientes que querem aceder a área vip à implantar um chip que serve como pagamaento por plso eletrônico

Estratégias utilizadas para propagação:

Utilização de celebridades mercenários nos meios de comunicação
que aparecerão implantando este troço falando que é bom

porém não dizendo que a privacidade de quem implantar isso é zero pode ser vigiado 24 h pela polícia

Nos carros em São Paulo capital quem não paga imposto em dia é proibido de rodar

graças a esse caRRAPATO QUE INVADE A PRIVACIDADE DE PESSOAS COMUNS E EXPULSAS O LIVRE DIREITO DE IR VIR SEM SER MONITORADO CONTROLADO POR UMA DITADURA TECNOTRÔNICA

PRIMEIRO VÊM AS VANTAGENS
DEPOIS OS EFEITOS COLATERAIS


RFID, tecnologia cada vez mais presente no nosso dia a dia

CENA 1: A cancela do pedágio se levanta automaticamente quando o carro se aproxima. O motorista não precisa parar, nem pegar um único centavo.

CENA 2: O próprio pote de sorvete indica qual é a sua localização dentro do depósito. E até se a temperatura do lugar está mesmo adequada.

CENA 3: O frasco de xampu, o pacote de biscoitos, a lâmina de barbear e o CD não precisam

sair do carrinho de compras no supermercado. Ao chegar ao caixa, o consumidor já sabe quanto terá de pagar.

Os três cenários acima fazem parte de um novo universo em que é possível trocar informações com os mais variados sistemas, sem qualquer interferência humana. Forma-se uma espécie de rede invisível, a chamada internet das coisas. A chave para isso está na tecnologia RFID (Radio Frequency Identification) e no uso de etiquetas inteligentes, as tags, que podem ter diferentes formatos ou tamanhos.

Na essência, uma etiqueta é constituída de um minúsculo chip de menos de 1 X 1 milímetro de dimensão e uma antena. O chip guarda na memória a identificação do objeto e, quando estimulado, usa a antena para transmiti-la para um leitor, via ondas de rádio. De lá a informação vai para um computador, onde é processada e enviada para um sistema ao qual possa ser útil. Tudo automaticamente, sem passar por mãos humanas. Dependendo da freqüência utilizada — o que vai de 30 kHz a 2,5 GHz —, o leitor pode estar a até 50 metros de distância da etiqueta. Baixas freqüências oferecem curtas distâncias. Freqüências altas permitem alcançar distâncias mais longas.

Uma das experiências que permitem dar uma noção de como a internet das coisas pode mudar a vida das pessoas — e trazer uma incrível agilidade de informações — está na pequena cidade alemã de Rheinberg, perto de Dusseldorf. Lá, os moradores que fazem suas compras no supermercado do futuro montado pelo grupo Metro — um gigante do varejo na Alemanha — usam carrinhos equipados com um assistente de compras pessoal, que nada mais é do que um computador. Diversos produtos disponíveis nas gôndolas — como lâminas Gillette, xampus Pantene, cream-cheese Philadelphia e CDs e DVDs — trazem etiquetas inteligentes na embalagem. À medida que esses itens são colocados no carrinho, as tags emitem sinais de rádio informando o seu código, ao qual o sistema da loja associa o preço. Tudo vai sendo somado e exibido na tela do assistente de compras. No final, basta fazer o pagamento.

Prateleiras inteligentes com etiquetas RFID

Nesse supermercado do futuro — um laboratório montado por empresas como a SAP, a IBM e a Intel, para testar novas tecnologias em condições reais —, as prateleiras também são inteligentes. Por meio dos leitores RFID espalhados pela loja, uma gôndola “avisa” o sistema que, por exemplo, restam apenas duas embalagens de uma marca de leite. De sua sala, o gerente manda um alerta para um funcionário determinando a reposição imediata. Também dá para monitorar a data de validade dos produtos à venda — gravada nas tags— e, se ela estiver próxima do vencimento, colocar o item imediatamente em promoção.

A identificação automática de produtos é apenas uma das inúmeras aplicações da tecnologia RFID. Hoje, as etiquetas com chip são usadas em pedágios, no rastreamento de malas em aeroportos (como o McCarran, em Las Vegas), no controle de acesso a edifícios e estacionamentos e até para identificar gado e outros animais. Aplicações mais complexas, como a do supermercado do grupo Metro, ainda são raras. O mais comum, nesses casos,é usar o código de barras impresso na embalagem do produto. Só que as etiquetas inteligentes têm várias vantagens em relação ao código de barras.

Uma delas está na captura da informação a distância, sem contato físico — ao contrário do código de barras, que precisa ser lido por um scanner. Como a transmissão para o leitoré feita por ondas

de rádio, é possível identificar um produto que está dentro de uma caixa lacrada ou mesmo um palete inteiro de uma só vez, com dezenas ou até centenas de caixas. Outra vantagem é que o chip da tag tem memória para armazenar outras informações, além do código do produto, como o seu prazo de validade ou se ele passou no teste de qualidade.

Isso não significa que o código de barras está com os dias contados. “Quem pensa em investir em RFID para substituir o código de barras pode se decepcionar”, afirma Jeff Woods, analista do Gartner. “Trata-se de uma tecnologia muito mais cara que o código de barras e que, por isso, deve ser usada em áreas onde não há outra alternativa, como o gerenciamento de ambientes caóticos”, afirma.

O custo, justamente, tem sido um dos principais obstáculos ao uso do RFID no varejo. O preço das etiquetas vem diminuindo bastante — as mais baratas, do tipo descartável, custam de 15 a 50 centavos de dólar. Mas ainda está longe dos 5 centavos de dólar considerados ideais para tornar essa tecnologia acessível — e permitir seu uso em produtos mais baratos, como um sabonete.

O próprio grupo Metro, que hoje paga cerca de 30 centavos de euro por etiqueta RFID, calcula que ainda deverá demorar de 10 a 15 anos para que esse preço caia a ponto de permitir o uso das tags em todos os produtos vendidos em suas lojas. “Na Europa e nos Estados Unidos, as etiquetas RFID estão sendo usadas em produtos de valor mais alto,
como celulares e aparelhos eletrônicos”, diz Roberto Matsubayashi, gerente de soluções de negócios da GS1 Brasil, entidade ligada à EPCglobal, que vem conduzindo a implantação do Código Eletrônico de Produto no país. A questão do custo também tem sido associada à falta de um padrão nas tags. “A padronização vai permitir que se compre as etiquetas de qualquer fornecedor, para serem lidas por qualquer leitor”, afirma Matsubayashi. Para Glauco Ramos Pinto, gerente de produto na área de RFID da Siemens, a mudança de cenário não deverá demorar mais que três anos. “No primeiro momento, essa tecnologia está sendo mais usada em aplicações na área logística, porque os ganhos são mais rápidos”, diz ele. “Mas, à medida que o custo da etiqueta cair, ela será colocada em cada produto.”

Os congelados da Unilever com RFID

Impulsionadas pelo grupo Metro e pela rede americana Wal-Mart — outro gigante do varejo que investe pesado em RFID —, centenas de indústrias, fornecedoras dessas redes, estão testando as etiquetas inteligentes principalmente na área logística. Nesse caso, a tagé colocada nas caixas onde são armazenadas dezenas de unidades de um produto, ou nos paletes, que levam várias caixas. Isso permite diluir o custo da etiqueta inteligente — em geral, do tipo regravável e, portanto, mais cara.

“ O RFID vai ser uma revolução na cadeia logística, assim como foi o código de barras”, afirma Rogério Pezutto, gerente de desenvolvimento de customer service da Unilever Brasil. Ele faz parte do time mundial criado pela empresa — que é um dos grandes fornecedores do Wal-Mart — para avaliar e conduzir experiências com as etiquetas inteligentes. “O fundamental é identificar os pontos que podem ser melhorados na cadeia logística e avaliar o que a tecnologia pode fazer para isso”, diz.

É o que a Unilever começou a fazer na Itália, em sua fábrica de sorvetes e comida congelada. Lá as tags RFID foram colocadas nos paletes que circulam entre as áreas de produção e de armazenamento. De quebra, a empresa ganhou mais um recurso para controlar a qualidade dos produtos e reduzir as perdas. Pela análise do movimento dos paletes, captado pelos leitores RFID, é possível saber, por exemplo, se o sorvete ou o alimento congelado foi deixado em um local inadequado, com temperatura acima do limite aceitável.

Produtos falsificados nunca mais com RFID

Ganhos desse tipo, nem sempre fáceis de serem medidos, também estão sendo levados em conta pelas empresas na hora de optar pela tecnologia RFID. A indústria farmacêutica, por exemplo, está adotando as etiquetas inteligentes para combater a falsificação de medicamentos. O laboratório GlaxoSmithKline iniciou em março um projeto piloto que prevê a identificação, com tags eletrônicas, de todos os vidros do medicamento Trizivir, usado no tratamento da Aids — e que está na lista das drogas mais suscetíveis à falsificação —, vendidos no mercado americano. A Pfizer vem fazendo o mesmo com as embalagens do Viagra, outro alvo dos falsificadores. A idéia é oferecer às farmácias e distribuidores uma espécie de selo de garantia da autenticidade do produto: seu código eletrônico, que é único, gravado no chip da etiqueta.

“É importante avaliar não só o custo da tecnologia, mas os benefícios que ela pode trazer, por exemplo, ao evitar os riscos de se usar um remédio falsificado”, diz Salil Pradhan, diretor de tecnologia na área de RFID dos Laboratórios HP, em Palo Alto, Califórnia. Para ele, a grande vantagem da internet das coisas será fornecer informações certas para as pessoas certas. “No futuro, cada objeto terá uma etiqueta e, toda vez que passar por um leitor, esta dirá que aquele objeto está ali. Essa informação vai para um banco de dados global, baseado na web, para ser acessada por quem precisa dela”, afirma.

Uma geladeira inteligente, por exemplo, equipada com um leitor RFID, terá condições de escanear o seu próprio conteúdo, com base nas informações transmitidas pelas tags dos produtos guardados dentro dela — uma caixa de leite, um iogurte, um vidro de azeitonas. À medida que esses produtos são retirados do seu interior, a informação pode ir, via web, para uma lista de compras armazenada em um palmtop ou até mesmo direto para o supermercado.

RFID a até 160 km/h

Quem circula pelas rodovias do Estado de São Paulo — e também pela Ponte Rio-Niterói e pela Via Lagos, no Rio — pode usar o RFID para passar pelo pedágio sem precisar parar o carro. Instalada no vidro do veículo, a etiqueta inteligente guarda a sua identificação e a categoria à qual pertence — que servem de base para a posterior cobrança, enviada para a casa do usuário.

A etiqueta tem uma bateria embutida que lhe garante um tempo de resposta curto — cerca de 30 milissegundos. Como as cancelas no Brasil são mecânicas, o carro pode passar numa velocidade de até 40 km por hora. Na Europa, no Canadá e no Chile já existem pedágios, sem

cancela, que permitem rodar a até 160 quilômetros por hora com esse sistema. A freqüência utilizada é a de 5,8 GHz — a mesma das transmissões de rádio FM. Invasão de privacidade?

Não demorou para que as etiquetas inteligentes entrassem na mira dos defensores da privacidade. Afinal, como evitar que, quando você sai de um supermercado, alguém com uma

antena e um leitor decifre os códigos e descubra o que tem dentro de suas sacolas? Ou mais: que consiga rastrear por onde você anda, com base no produto que carrega? Uma enquête no site da INFO apontou que 42,4% dos leitores consideram que o uso de RFID para rastrear pessoas é invasão de privacidade.

Para contornar o problema, a loja do futuro do grupo Metro tem um desativador de etiquetas RFID que os clientes podem usar para apagar os dados gravados no chip. Desenvolvido com a IBM, o dispositivo está em um quiosque na saída do supermercado. Mas é preciso passar item por item — e perder um pouco mais de tempo. Vem aí o EPC Gen2

Um dos desafios da tecnologia RFID está nas diferentes freqüências adotadas pelos vários países do mundo para a transmissão dos dados das etiquetas para os leitores. Isso obriga os fabricantes a produzir tags e leitores específicos para cada mercado — o que reduz a escala e dificulta a redução de preços. É esse o problema que a padronização em torno de uma nova geração de chips RFID, chamada de EPC Gen2 (É a segunda geração do Código Eletrônico de Produto), quer resolver — ao menos na freqüência UHF e nas áreas que usam o Código Eletrônico de Produto (EPC), definido e controlado pela organização EPCglobal. O EPC é como o RG de um produto. É um código estruturado, com um número de série único e informações como o nome do fabricante.

Entenda a tecnologia por trás do RFID

A etiqueta RFID: Contém um chip com uma antena. No chip são gravadas as informações sobre o produto, como o seu código e data de validade. A antena envia esses dados para os leitores. A tag também pode ter uma bateria interna — é a chamada etiqueta ativa O leitor: Também tem uma antena, que emite as ondas de rádio que vão ativar as etiquetas inteligentes. Sua função é receber e decodificar os dados gravados no chip da tag e, depois, enviá-los para um middleware.

Na rede: Os dados processados pelo middleware podem ser distribuídos para vários sistemas da empresa, como o ERP, ou enviados para um banco de dados, ficando disponíveis para acesso via internet A inteligência: Para que o dado gravado na tag vire uma informação útil, ele precisa passar por um middleware. Trata-se de um software que traduz, filtra e consolida os dados recebidos de vários leitores RFID

Apocalipse 13

16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,
17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome

Apocalipse 20

vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.
5 Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição.
6 Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos

Esse post foi publicado em anticristo, apocalipse, Apostasia, barack obama, chip, Diversidade, gripe suina, haarp, marca da besta, Menssagem subliminar, nova ordem mundial, Ocultismo, ONU. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s